12/09/2019

Descontruindo a minha moda


EuComecei passar por um processo de desconstrução de mim mesma (obrigada, terapia!) e tenho visto a mim e à moda com outros olhos. Você não precisa caber naquele 44 da loja, que claramente é um 40 com etiqueta trocada ou corte mal feito. Nós somos as clientes e a mulher Brasileira da bunda e peito grande com cintura fina é maioria nesse país. As marcas precisam entender isso e não é você o problema quando a calça só te sobe até a coxa mesmo sendo seu número exato. Não é certo você ter que ajustar a cintura, ou comprar um número maior porque seu peito é grande e mandar ajustar o resto. Vi esses dias no stories da Carla (@modices) que é realmente um absurdo você pagar caro em uma peça que ainda vai ter que mandar ajustar. E isso me fez pensar nesse post e em toda minha história com roupas e meu corpo.

Acontece que eu não entendia bem isso, e sigo chateada a cada vez que eu entro na Forever21, vejo aquele vestido lindo que não me fecha no quadril. Meninas, entendam: você tem que conhecer seu corpo. Se veja. As vezes a gente se enxerga diferente porque não tem tempo de reparar em nós mesmas. Perca algum tempo provando roupas. Conheça seu corpo e não tente parecer a moça da campanha na vitrine: ela está completamente montada e cheia de alfinetes por trás da foto. 

Eu sempre fui interessada em moda num geral, mas ultimamente tenho me interessado mais. Quantas vezes eu não saí chateada de uma loja porque aquela roupa (que era o maior número disponível) não me serviu bem. Quantas vezes eu fui encarada em algumas lojas pelas vendedoras que claramente não tinham meu tamanho (44) e mesmo assim tentavam me empurrar aquele biquini G com corte P ou M, sem sustentação alguma e ainda diziam estar maravilhoso?

Eu já trabalhei em loja de roupas em shopping e sei bem como é essa vida: a cliente que claramente não serve no manequim máximo 42 da loja (onde mais uma vez tem corte de 38), é julgada assim que poe os pés pra fora. Nós somos cobradas por estar engordando e não caber em todas as peças. Não pode ter um fio de cabelo fora do lugar. Estejam maquiadas. Empurrem todas as peças para as clientes que claramente vieram apenas atrás de uma legging básica. Em diversas situações nós temos que comprar essas mesmas roupas que não nos servem e somos chamadas atenção quando usamos da ''forma incorreta'' da peça, que pode levar a loja ao fiasco. Usávamos até shorts e cintas modeladoras para caber bem nas peças.

As modelagens de certas lojas selecionadas (vamos combinar que a grande maioria) não são pequenas ao acaso: As marcas não querem associar suas peças à corpos grandes. Com bunda, peito e barriga. A confecção é feita sem preocupação nenhuma com caimento, e logo a moça do 44 não vai nem conseguir provar a peça. 

Queria deixar aqui meu desabafo, para me lembrar - e te lembrar - que ainda temos um longo caminho pela frente. Entre nas lojas, prove a roupa que quiser e saiba que o problema não é seu corpo. Mande um e-mail para o sac da loja, contando sobre sua frustrada experiência ao tentar entrar em suas peças. Deixe que todos saibam que o problema não está em você. Porque nunca esteve. Talvez se todas nós nos manifestarmos dessa forma a moda pode incluir um grupo além das pessoas completamente magras e sem volumes ou curvas.

Beijos!

Nenhum comentário

Postar um comentário